Subida dos custos de construção de habitação nova abranda para 2,8% em maio

Venezuela: Bairro de Ocumare

Os custos de construção de habitação nova aumentaram 2,8% em maio em termos homólogos, abrandando 0,4 pontos percentuais face à evolução de abril, segundo uma estimativa do Instituto Nacional de Estatística (INE) hoje divulgada.


Em comunicado, o INE adianta que o preço dos materiais apresentou uma queda homóloga de 0,7%, acentuando a redução em 0,7 pontos percentuais face ao mês anterior, enquanto o custo da mão de obra aumentou 7,7% (7,9% em abril).


O custo da mão de obra contribuiu com 3,2 pontos percentuais (tal como no mês anterior) para a formação da taxa de variação homóloga do Índice de Custos de Construção de Habitação Nova (ICCHN) e a componente materiais com -0,4 pontos percentuais (0,0 pontos percentuais no mês anterior).


Entre os materiais que mais influenciaram positivamente o preço estão o cimento e o betão pronto, com crescimentos homólogos superiores a 20% e 15%, respetivamente, e as madeiras e derivados de madeira, com variações superiores a 15%, detalha o INE.


Em sentido oposto, o aço para betão e perfilados pesados e ligeiros e a chapa de aço macio e galvanizada apresentaram decréscimos de cerca de 30% em termos homólogos.


Em cadeia, a variação dos custos de construção de habitação nova foi nula em maio, tendo o custo dos materiais descido 0,4%, enquanto o da mão-de-obra subiu 0,4%.


As componentes materiais e a mão de obra contribuíram com -0,2 pontos percentuais e 0,2 pontos percentuais, respetivamente, para a formação da taxa de variação mensal do ICCHN (-0,1 pontos percentuais e 0,0 pontos percentuais em abril, pela mesma ordem).